NOTÍCIAS Terça-feira, 05 de Novembro de 2019, 12h:06 - A | A

Cultura

facebook TWITTER PRINTER gplus

Democratização do acesso ao cinema é realidade com SPE Piauí Conectado

O projeto tem levado cinema para alunos de escolas públicas do Piauí

Maria Deiza de Lira é mãe do Luís Gustavo, que cursa o sexto ano na Unidade Escolar Modestina Bezerra. Ela ficou emocionada ao ouvir o filho contar que assistiu pela primeira vez um filme de cinema, sem ter que sair da escola. “Hoje em dia é tão complicado dar essa oportunidade para os nossos filhos e essa iniciativa da escola foi muito boa para ele, que chegou em casa contando que achou interessante como o filme mostrava a diferença de como era antigamente para hoje, na tecnologia, as dificuldades”, comentou a mãe.

A escola a qual ela se refere foi beneficiada pelo programa Cinema na Escola, promovido pela SPE Piauí Conectado. A iniciativa reúne estudantes e professores do ensino público estadual e apresenta filmes que trabalhem temáticas como motivação, superação e tragam alguma reflexão. A atividade está sendo muito bem recebida onde é realizada e traz para os alunos a oportunidade de participar de um momento que mistura entretenimento com aprendizado.

A democratização do acesso ao cinema foi o tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2019, realizando no último domingo (03). De acordo com levantamento do Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (SNIIC), menos de 50% da população piauiense tem acesso ao cinema, o que reforça a necessidade de ações como essa.

Em apenas quatro meses, mais de 600 alunos foram beneficiados com o Cinema na Escola. O diretor presidente da SPE Piauí Conectado, Emerson Silva, ressaltou que a proposta é levar o projeto para todo o Estado. “Uma das vantagens da internet é poder ver filmes e usamos isso ao nosso favor, é uma oportunidade que temos de levar o cinema até os estudantes. É uma das vantagens da tecnologia. Através das nossas visitas as comunidades, percebemos que a arte ainda não é algo acessível a todas as classes, sendo ainda mais distante de quem vive na periferia.”, afirmou.

Imprimir